Seguidores

quarta-feira

Estudante cria acessório que acelera cura de ossos quebrados.


Se você já teve "a sorte" de quebrar um braço ou perna, com certeza deve ter passado pela experiência de ter o membro engessado por alguns dias ou semanas para que tudo voltasse ao normal. Há quem goste de colocar o gesso para deixar outras pessoas rabiscarem, mas muita gente acha a sensação bastante incômoda. Mas e se em vez de gesso você usasse um acessório feito a partir de uma impressora 3D?
Esse é o conceito do Cortex, um periférico de plástico que substitui o gesso tradicional por uma cobertura braçal toda vazada que, além de ser mais leve e livre de odores, dispensa todo aquele processo de engessar o braço e ainda permite que o usuário fique com o membro reto, sem precisar dobrá-lo. O projeto foi anunciado em junho do ano passado por Jake Evill, estudante da Victoria University of Wellington, na Nova Zelândia. O molde é impresso em terceira dimensão a partir de um raio X do osso quebrado do paciente.
O Cortex ainda não tem previsão para chegar ao mercado porque ainda está em fase conceito. No entanto, um novo protótipo baseado na mesma ideia promete dispensar de vez o uso do gesso e de quebra agilizar o processo de cura do osso danificado. Trata-se do Osteoid, um exoesqueleto semelhante ao Cortex e equipado com um dispositivo de ultra-som que acelera a cicatrização. As informações são do site The Verge.
Desenvolvido pelo estudante turco Deniz Karasahin, o Osteoid foi o projeto vencedor do Prêmio A'Design 2014, competição voltada para novas ideias na área da impressão 3D. Karasahin e sua equipe contam que o acessório é feito sob medida para cada usuário, é resistente a água e pode ser projetado em várias cores diferentes. "O objetivo é melhorar a experiência de todos quando o assunto é curar membros quebrados ou fraturados, concentrando-se no conforto do paciente e no tempo necessário para o corpo curar-se", dizem.
Dispositivo que emite pulsos de ultra-som ajuda na cicatrização de ossos quebrados. (Foto: Deniz Karasahin/A'Design Award)

O sistema de aceleração de cura do exoesqueleto é basicamente um sistema de baixa intensidade de pulsos de ultra-som (LIPUS, na sigla em inglês). De acordo com os criadores, dois conectores são plugados em uma das aberturas do acessório para ficar em contato direto com a pele na área lesada. Feito isso, o usuário com um osso quebrado precisa utilizar a braçadeira durante 20 minutos diários para acelerar o processo de cura, que chega a ser reduzido em 38%, para fraturas mais graves, e em até 80%, para as mais leves.
Para saber como está a recuperação do membro danificado, basta olhar para o gerador de pulsos. Segundo Karasahin, no centro do dispositivo existe um mecanismo de luzes que orienta o usuário sobre o estado do osso fraturado e do tempo de sessão dos pulsos de ultra-som. Por exemplo, se o paciente atingiu o tempo de 20 minutos de utilização do gadget, luzes começam a piscar e mudar de cor, indicando que chegou a hora de encerrar a sessão.
Karasahin afirma que o Osteoid levou quatro meses para ficar pronto. O próximo passo é a criação de um sistema de bloqueio que projete melhor o membro quebrado e acelere ainda mais o processo de cicatrização.
The Osteoid: peça é feita sob medida em uma impressora 3D. (Foto: Deniz Karasahin/A'Design Award)

Créditos: canaltech

Tratamento com Teriparatida em adultos com osteogênese imperfeita.

A  Teriparatida na Remodelação Óssea.

O esqueleto humano é constantemente renovado pela ação conjunta dos osteoclastos e osteoblastos, tipos celulares especializados que se originam de progenitores da medula óssea. Os osteoblastos são responsáveis pela formação e os osteoclastos pela reabsorção óssea. Os medicamentos disponíveis atualmente para prevenção e tratamento da osteoporose são agentes anti-reabsortivos, que atuam inibindo a perda óssea mediada pelos osteoclastos. Os anti-reabsortivos (estrógenos, raloxifeno, bifosfonatos, calcitonina) suprimem a remodelação óssea, como demonstrado pela redução dos marcadores bioquímicos de formação e reabsorção óssea.
O aumento da densidade mineral óssea observado com o uso destes medicamentos ocorre pela redução do espaço de remodelação e prolongamento da duração do tempo de mineralização, com conseqüente aumento da mineralização secundária. Diferentemente, a teriparatida atua estimulando a formação óssea, via estímulo à ação e formação dos osteoblastos, promovendo aumento da força óssea pela formação de tecido ósseo novo, com conseqüente redução do risco de fraturas.

79 adultos com OI foram randomizados para receber 20 mg hormônio paratireoide humano
recombinante (teriparatida) ou placebo durante 18 meses.
Adultos com OI, particularmente aqueles com doença menos grave (tipo I), apresentada uma resposta induzida por teriparatida anabólico, bem como aumento da anca e da coluna vertebral.


Fonte: ASBMR

quinta-feira

Primeiro caso registrado de implantação de aparelho auditivo em um paciente com osteogênese imperfeita.



Primeiro caso de sucesso da implantação de aparelho auditivo ancorado-óssea em um paciente adulto com tipo III de osteogênese imperfeita, o que é comumente considerada como uma contra-indicação para este procedimento.
Um homem de 45 anos de idade com o tipo III osteogênese imperfeita apresentado com perda auditiva mista.
Houve um componente neuros sensorial leve em ambas as orelhas.                       
Ele foi implantado com um aparelho auditivo ancorado ao osso. 
O resultado audiológico foi bom, sem complicações e boa estabilidade do implante (como medido por análise de frequência de ressonância).
Para nosso conhecimento, este é o primeiro caso registrado de implantação aparelho auditivo ancorado-óssea em um paciente com osteogênese imperfeita.
Informações do autor:
  • Departamento de Otorrinolaringologia, Hospital dos Lusíadas, Porto, Portugal.
  • Faculdade de Medicina da Universidade de Girona, na Espanha.  
  • Departamento de Otorrinolaringologia, Porto Hospital Center, Portugal.
  • Widex Centro de audiência, Lisboa, Portugal.
Endereço para correspondência: Dr. Miguel Bebiano Coutinho, Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital dos Lusíadas Porto, Unidade de Otorrinolaringologia, Avenida da Boavista, 171, 4050-115 Porto, Portugal E-mail: coutinho.mb@gmail.com


quarta-feira

Perda Auditiva na Osteogênese Imperfeita.



Um bate-papo com o Dr. David Vernick.

( Médico chefe - Otolaryngology 
Beth Israel Deaconess Hospital )

Q: Eu tenho OI e posso ouvir muito bem; todos têm problemas de audição com OI?
A: Não é todos os portadores de OI que tem problemas de audição, mas a incidência de perda auditiva com OI é muito maior do que a população em geral - até 50 por cento.
Q: Será que a idade de uma pessoa tem nada a ver com a perda de audição em uma pessoa com OI? As pessoas com OI devem se preparar para começar a perder sua audição na faixa dos 20?
A: A incidência de perda na Oi aumenta com a idade auditiva; felizmente nem todos sofrem perda auditiva.
Q: Eu ouvi que a perda de audição em pessoas com OI começa aos  20 anos. Ela pode começar mais cedo? Quão cedo?
A: Ela pode começar em qualquer idade.
Q: Que tipo de teste de audição é melhor
A: testes de audição deve ser feito em cabina acústica com fones de ouvido, de que maneira você pode medir a audição e determinar se a perda auditiva é condutiva (do ouvido médio) ou neurossensorial. Os testes auditivos realizados em salas abertas são imprecisas, como o ruído de fundo mexe-se os resultados.
Q: Existem custos envolvidos no teste?
A: Você teria que perguntar ao seu ouvido, nariz e garganta médico local quais são as acusações. Eles variam muito.
Q: Você sabe qual a causa da perda auditiva neurossensorial em OI?
A: Ninguém tem certeza por que OI carrega um risco maior de perda auditiva. Pode ser que o volume do osso em torno da cóclea (ouvido interno) liberta enzimas dentro do ouvido interno que danificá-lo. Este é apenas especulação.
Q: Você costuma ver diferentes tipos de perda auditiva e idades para a perda auditiva dentro de uma família de Tipo OI I?
A: Você pode ver a perda auditiva condutiva e neurossensorial tanto com todos os tipos de OI. Eles podem variar de uma família, tanto como entre as pessoas não relacionadas.
Q: Existe uma diferença entre as idades para qualquer tipo de perda auditiva ter início?
A: A perda auditiva neurossensorial tende a ser mais frequente com a idade. A perda condutiva geralmente ocorre nos anos 20 e 30, mas estas são generalizações que têm muitas exceções.
Q: O nosso filho de 24 anos de idade, cuja audição está se deteriorando rapidamente, tem uma consulta com um médico especialista. Existem testes especiais que ele deveria pedir porque ele tem OI?
R: Os testes de audição de rotina com via aérea e óssea e do limiar de recepção de fala.
Q: Eu sou quase 27 anos de idade, e minha audição fica abafada e depois volta, e às vezes eu tenho zumbido nos meus ouvidos. Devo me preocupar?
A: Você deve fazer um teste de audição apenas para verificar o nível de audição.
Q: Um amigo meu, que tem OI, está usando aparelhos auditivos nos dois ouvidos.Quando ela vira para cima do aparelho auditivo em um dos ouvidos para ouvir melhor, que, em seguida, anéis de orelha. Qual é a causa disso? Se ele não ligar o aparelho auditivo para cima, então ele realmente não pode ouvir fora da orelha. O que ele pode fazer?
A: Quando as próteses auditivas são virados para cima muito alto, eles dão feedback, ou o estridente grito que você ouve. Para contornar esta situação, ele pode precisar de um tipo diferente de aparelho auditivo ou um molde melhor montagem.
Q: Um audiologista disse ao meu amigo, que tem OI, que um aparelho auditivo não iria ajudá-lo, mas ele tem alguma audição. Ele não deu uma razão. Você pode especular por que isso pode ser?
A: As principais razões para um aparelho auditivo não está funcionando são: má compreensão dos sons no ouvido, som muito baixo, mal ajuste. Seu amigo deve ter uma segunda opinião antes de desistir.
Q: Meu pai tem OI e perda auditiva. Uma operação ajuda?
R: Depende de que tipo de perda que ele tem de ouvir e como é grave. Ele deve examinar o ouvido, nariz e garganta no médico e medir sua audição.
Q: Eu viajei de Cincinnati a Memphis para encontrar um médico com experiência em OI e estapedectomia. Eu tive dois ouvidos operados com êxito. A última cirurgia, em setembro de 2000, deixou-me tonto, às vezes, e eu tive pelo menos uma infecção no ouvido desde então. Isso é normal?
A: A tontura pode ocorrer porque a cirurgia abre o ouvido interno, que geralmente desaparece com o tempo. Eu não posso explicar a infecção do ouvido; você não deve ser mais suscetível a uma agora do que antes da cirurgia.
Q: Quais são os riscos da estapedectomia
A: Os principais riscos de estapedectomia são perda auditiva, tontura e alterações no paladar a uma parte da língua. A perda auditiva pode ser perda total, a vertigem geralmente desaparece, e o problema do gosto na boca geralmente desaparece em poucos meses.
Q: O que é o implante de osso, e é uma boa ideia para as pessoas com OI
A: Existem dois tipos de implantes ósseos. Um deles é um implante coclear, que é implantado em alguém que é surdo. O outro é um aparelho auditivo ancorado-óssea, que é implantado em alguém que tem uma perda auditiva condutiva (do ouvido médio). O implante coclear foi realizado em pelo menos duas pessoas com OI. O único problema com o implante, até agora, é que, porque o osso não é tão denso como sólido ou outro osso, os sinais eléctricos parecem viajar um pouco mais fácil através do osso. Isto significa que o nervo facial, que corre perto do ouvido interno, por vezes, fica estimulado a partir do implante. Até à data, não houve aparelhos auditivos ancorados de ossos implantados em doentes com OI que eu conheço.
Q: Que tipo de som que alguém iria ganhar com o implante coclear
A: Audição com um implante coclear é variável. Não é como a fala normal, mas muitos se adaptam a ele e pode até mesmo falar ao telefone.
Q: Será que um implante coclear permitir que uma outra pessoa surda para entender a língua falada?
A: Os implantes cocleares permitir que algumas pessoas para compreender a fala. Nem todo mundo que recebe um implante capaz de compreender exposições embora.
Q: Muitas pessoas com OI tiveram implantes cocleares? Eles foram bem sucedidos?
A: Duas pessoas, a quem eu conheço, tiveram implantes cocleares, e ambos estão usando os implantes. Alguns dos eléctrodos tinha de ser desligado.
Q: A cirurgia ou implante é um procedimento ambulatorial delicado?
A: Os implantes cocleares são a cirurgia de orelha significativo. No entanto, a maioria dos pacientes são capazes de ir para casa naquela noite ou na manhã seguinte.
Q: Será que um implante coclear apresentam mais riscos para uma pessoa que tem OI do que para o público em geral? Será que os riscos aumentam com a idade?
R: Há apenas um par de pessoas implantados com OI. Eu não tenho certeza se há uma resposta para a sua pergunta ainda.
Q: Quais são os riscos de um implante coclear para uma pessoa "senior" com OI
A: Os riscos de um implante coclear são tonturas e lesão do nervo facial. O nervo facial é monitorado durante a cirurgia, de modo que não deve ocorrer com muita freqüência. A tontura pode ocorrer por causa da cirurgia no ouvido interno, mas geralmente desaparece.
Q: O nosso filho vem recebendo pamidronato há dois anos; existe um mínimo de densidade óssea para se qualificar para um implante?
A: Não há medição da densidade óssea que é feito para determinar se alguém é um candidato para implantes cocleares.
Q: Você já ouviu falar se pamidronato pode agravar problemas de audição por espessamento dos pequenos ossos no ouvido?
A: Há um trabalho no NIH para ver se a audição é afetada para melhor ou pior por pamidronato.
Q: Existe uma maneira que poderia obter informações sobre o estudo NIH sobre o efeito do pamidronato na audição?
A: Não até que eles têm analisado os dados.
Q: Pode perda auditiva ser curada ou um pouco corrigido?
A: Perda auditiva pode ser tratada com aparelhos auditivos e cirurgia, dependendo do tipo e da gravidade da perda. Não há preventiva para tomar ainda.
Q: Meu neto de nove anos de idade, que tem OI, reclama que a TV, rádio ou alguém gritando fere seus ouvidos. Será que ruídos altos "quebram" os ossos em nossos ouvidos?
A: Só ruídos extremamente altos, como aviões a jato e bombas, teria energia suficiente para danificar os ossículos em alguém com OI. Eu só sei de algumas incidências relatadas como essa. Na maioria das vezes, as razões para evitar ruídos altos são os mesmos para todos - ruídos altos podem causar danos na orelha interna e pode levar à perda auditiva.
.
Q: Minha audição é muito pior no meu ouvido esquerdo do que no meu direito. O que poderia estar causando isso?
R: Você precisa obter um teste de audição e um exame de suas orelhas para determinar que tipo de perda que você tem e qual é a causa.
Q: E quando a produção de cera é demais ou muito escura?
A: A cera tem muitas cores e texturas; todos eles podem ser normais em pessoas diferentes.
Q: O que produz a cera?
R: É um produto natural do canal auditivo. Existem glândulas de cera no canal auditivo que fazem a cera. Está lá para lubrificar a pele e evitar infecções. Ela geralmente cai sem sua ajuda.
Q: Com que idade uma criança com OI deve começar a cuidar da audição? Com que frequência? Uma vez por ano é suficiente? Isso pode ser feito pelo pediatra ou por um fonoaudiólogo?
A: Em Massachusetts, todos os recém-nascidos com OI são selecionados para perda auditiva. A maioria das crianças são selecionados para o teste com poucos anos. Outros testes de audição devem ser feitos se houver qualquer suspeita de perda auditiva. Um fonoaudiólogo é o único a dar um teste de audição preciso. O pediatra pode ver as crianças, mas não têm o equipamento para fazer os testes precisos.



***********************************************

David M. Vernick, MD, FACS

David M. Vernick, MD é um graduado da Johns Hopkins Medical School. Ele completou a sua formação de pós-graduação cirúrgica no Hospital George Washington, em Washington, DC Em 1979, Dr. Vernick continuou seu treinamento como residente em Otorrinolaringologia no Massachusetts Eye e Ear Infirmary.Posteriormente, ele se tornou um companheiro em Otologia, Otoneurologia cirurgia da base do crânio da Universidade de Michigan em Ann Arbor. Após a conclusão, ele voltou para a área de Boston e trabalhou como cirurgião em Otorrinolaringologia no Massachusetts Eye and Ear Infirmary, Beth Israel Deaconess Medical Center, Hospital Infantil e Hospital Brigham and Women.
Dr. Vernick, juntamente com o Dr. Gopal, estabeleceu a prática de Vernick e Gopal para fornecer o estado da arte de cuidados para pacientes com problemas de ouvido, nariz e garganta. Dr. Vernick é certificado em Otorrinolaringologia e recebeu a certificação na subespecialidade de Otoneurologia pela Câmara Americana de Otorrinolaringologia.Enquanto especialista em todos os aspectos de Otorrinolaringologia, Dr. Vernick desenvolveu conhecimentos especializados no tratamento de problemas de ouvido (otologia). Dr. Vernick foi o primeiro cirurgião na Nova Inglaterra de usar lasers em cirurgia da orelha média e também foi o primeiro a implantar próteses auditivas osso ancorado na Nova Inglaterra. Ele é hábil no uso de lasers para tratamento da otosclerose e Osteogenesis Imperfecta perda auditiva. Dr. Vernick tem fortes interesses em distúrbios do equilíbrio, incluindo a doença de Ménière, vertigem posicional benigna e labirintite. Sua pesquisa e foco tem sido a cirurgia otológica eo uso de lasers e do diagnóstico e tratamento da audição e no equilíbrio. Sua experiência inclui todos os procedimentos cirúrgicos otológicos incluindo posterior e lesões de base de crânio fossa média, a ressecção neuroma acústico, implante coclear, a ressecção do nervo vestibular, e remoção de tumor glômico. Dr. Vernick é dedicado ao bem avaliação, o diagnóstico e desenvolver planos de tratamento adequados para seus pacientes.
Dr. Vernick continua a participar na investigação, conferências e formação. Ele ensina inúmeros cursos através de conferências locais, nacionais e internacionais que se concentraram em técnicas cirúrgicas osso temporal e do diagnóstico e tratamento da doença otológica. Ele publicou numerosos artigos acadêmicos, publicado capítulos e comentários e livros escritos e monografias sobre audição, perda, a malignidade do osso temporal, otosclerose e auditiva. Atualmente é professor clínico assistente de Otologia e Laringologia na Harvard Medical School.

sábado

Por falta de equipamento, professora é impedida de embarcar em avião

Antropóloga tem 'ossos de vidro' e precisa de passagem elevatória.
Ela está 'presa' em MG enquanto aguarda situação ser resolvida. 

Adriana Dias em aeroporto de MG (Foto: Letícia Duarte/G1)

Adriana Dias, uma das diretoras do Instituto Baresi - fórum nacional que apoia pessoas com doenças raras visando à inclusão social, foi impedida de entrar no voo 4353 da Azul Linhas Aéreas – Juiz de Fora/Campinas, no início da noite desta sexta-feira (30). 
Ela perdeu o voo e permanece no Aeroporto Regional Presidente Itamar Franco, localizado em Goianá, onde aguarda um membro da Secretaria de Direitos Humanos de Minas Gerais.

A mulher de 44 anos tem osteogênese imperfeita, também conhecida pelas expressões “ossos de vidro” ou “ossos de cristal”. Antropóloga pela Universidade de Campinas (Unicamp), ela contou que foi barrada na volta para casa, depois de ter participado de um congresso em Caxambu.
Sobre a situação, a Azul Linhas Aéreas informou ao G1 por meio de nota que prestou todo o auxílio possível para que a passageira embarcasse no voo, mas que a cliente exigiu que isso fosse feito por uma plataforma elevatória – o ambulift, porém, o aeroporto não possui. O G1 também entrou em contato com a Socicam, empresa responsável pela administração do terminal, que ainda não enviou posicionamento sobre o assunto.
Barrada
Após fazer o check-in no aeroporto da Zona da Mata, na tarde desta sexta, a professora contou que solicitou o ambulifit, que é destinado a transportar aquelas pessoas que têm dificuldades de locomoção, da sala de embarque até a aeronave, assim evitaria a subida de escada. Contudo, ela disse que foi informada de que não havia o equipamento no aeroporto. A alternativa, segundo Adriana Dias, seria ser levantada e carregada em uma cadeira até o avião, o que de acordo com ela representaria risco.
“Não existe isso. Expliquei que se me carregassem e a cadeira virasse eu poderia me quebrar inteira. Tenho a osteogênese e minha mobilidade é comprometida, mas não ofereço riscos a outras pessoas. Após saberem da minha doença, a empresa impediu meu embarque, alegando que eu deveria apresentar um laudo médico atestando que a minha patologia não é contagiosa”, explicou.
Além do laudo, a empresa disse que a usuária deveria ter avisado a companhia com  48 horas de antecedência sobre o voo.
O sentimento, segundo a antropóloga, é de indignação e frustração. “Sou militante da causa da deficiência. Há mais de 20 anos participo da criação de políticas públicas para pessoas com síndromes e doenças raras, e agora eu me vejo em uma situação surreal. Viajo o país com frequência e nunca me solicitaram esse laudo e nunca fui impedida de voltar para casa. Estou desamparada, me sentindo excluída por ser deficiente. Refém em um aeroporto. A única coisa que quero é voltar para casa”, desabafou.
Ainda conforme a Azul, a passageira não apresentou o Formulário Medif (Medical Information Form), que é exigido em condições adversas de saúde, e não informou à empresa sua necessidade 72 horas antes do voo, conforme a resolução nº 280 da ANAC. A Azul também informou que vai prestar toda a assistência necessária à cliente para que o embarque possa ser realizado em outra data ou até reembolsando o valor integral da passagem.

sexta-feira

Cesariana não diminuiu taxas de fraturas em bebês com OI.



A nova pesquisa, publicada no Jornal genética na medicina, é o primeiro estudo dessa natureza.


 Com o aumento da disponibilidade de exame ultra-sonográfico pré-natal e testes genéticos, muitos bebês são diagnosticados antes do nascimento.

 "Houve essa noção de que sob circunstâncias controladas de nascimento, como uma cesariana, haveria menos risco de fratura ao recém-nascido durante o parto," disse o Dr. Sandesh Nagamani, diretor da Clínica para distúrbios metabólicos e genéticos de ossos e o último autor do relatório. No entanto, a premissa nunca tinha sido estudada sistematicamente.

A equipe teve acesso aos dados recolhidos uniformemente pelos seis centros clínicos na América do Norte como parte dos centros de pesquisa clínica OI referenciados liderados pelo Dr. V. Reid Sutton, professor de genética molecular e humana em Baylor. "Partimos para entender se a cesariana foi associado com taxas de redução de fraturas nestes pacientes, em comparação com o parto vaginal", disse Sutton.

Em um estudo envolvendo 540 pacientes com osteogênese imperfeita - O maior estudo de qualquer sobre este tema - a equipe descobriu que o parto por cesariana não foi associada com a diminuição da taxa de fratura nos recém-nascidos.

"A amostra permitiu avaliação estatística detalhada dos vários co-variáveis, e nossas análises mostram que quando a contabilidade para essas variáveis, não houve diferenças nas taxas de fratura com base em se o parto foi por via cesariana ou vaginal", disse Sunil Bellur, um estagiário no Baylor no âmbito do Departamento de Texas de Serviços de Saúde Programa de Bolsas de Verão para 2014 (na época do estudo) e Dr. Mahim Jai, pós-doutorado em genética molecular e humana em Baylor, que são os principais autores do manuscrito.

"Este novo estudo apresenta informações atualizadas para obstetras e mulheres grávidas com crianças diagnosticadas com osteogênese imperfeita para determinar o melhor método de parto para sua situação individual. Sabemos agora que a cesárea não significa necessariamente que seja melhor para estas mulheres ", disse Nagamani.

 "Fornecer respostas baseadas em evidências clinicamente relevantes a essas questões não é fácil, quando se trata de doenças raras. Grandes esforços de colaboração são fundamentais não só para a compreensão da história natural das doenças raras, mas também em terapias avançandas ", disse o Dr. Brendan Lee, Robert e Janice McNair, médico de Genética Humana e Molecular e investigador principal para os Transtornos dos ossos frágeis.

Fonte:BCM

Vai ser possível curar o seu bebê ainda dentro do útero?



É isso que se espera. O primeiro ensaio clínico feito com células estaminais, ainda dentro do útero, destina-se a crianças com a doença dos ossos de vidro.

Se é verdade que o uso de células estaminais no tratamento de doenças raras e graves ainda é bastante limitado, também é importante destacar que a investigação nesta área tem sido prolífica. Este é um desses casos. O primeiro ensaio clínico para tratar bebés, ainda dentro do útero, recorrendo a células estaminais terá início já em Janeiro de 2016, segundo anunciou recentemente a cadeia de televisão britânica BBC.

O ensaio será conduzido pelo Karolinska Institutet, na Suécia, e também pelo Great Ormond Street Hospital, do Reino Unido, e destina-se a bebés com Osteogênese Imperfeita, a chamada doença dos ossos de vidro - uma doença rara que afeta uma em cada 25 mil pessoas e que é mortal para muitos bebés. Aqueles que sobrevivem chegam a ter mais de 15 fraturas por ano. Além de problemas de dentes e de audição e atrasos no crescimento. 

A expectativa é que as células estaminais consigam substituir uma série de tecidos e dessa forma diminuir os sintomas desta doença incurável. As células usadas no ensaio serão de fetos de gravidezes não evolutivas (que não chegaram a termo). Quinze bebés vão receber uma injeção de células estaminais, ainda no útero, e outra depois de nascerem. E outros 15 receberão o tratamento só depois de nascerem. A ideia é comparar os tratamentos e avaliar a sua eficácia. 

As injeções serão feitas entre a 24ª e a 30ª semana de gravidez, já depois da formação dos testículos ou dos ovários do bebé, de forma a que as células estaminais introduzidas não interfiram com seus espermatozoides ou óvulos.

Fonte: Cofina


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma mensagem!

Nome

E-mail *

Mensagem *